As Galvão Uma noite para marcar a história da música sertaneja

Pela primeira vez, no lançamento do documentário "Eu e Minha Irmã" no Museu da Imagem e do Som, "Beijinho Doce" não foi cantada até o final. "Eu estava segurando a emoção desde o final da semana em Curitiba que lançamos a biografia, não aguentei e amarelei.

Na hora errada e depois de 70 anos dei vexame e o choro não me deixou cantar", confessou Marilene, primeira voz da dupla, ao descrever o momento em que teve que descer do palco porque não resistiu ao choro. Mas, foi choro de felicidade e por poder realizar tantas coisas depois de 7 décadas de sucesso.

O documentário faz parte das comemorações de 70 anos de trajetória da dupla mais antiga ainda na ativa no Brasil assim como a  biografia Dossiê As Galvão e do DVD Soberanas. Parabéns Meninas....